São Paulo pede Cabral por Hudson; Cruzeiro quer pagar multa até 2019

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 80 Visualizações

Hudson

Hudson segue na mira do Cruzeiro, que encontra dificuldades para garantir permanência

Manter Hudson no Cruzeiro é um pedido especial feito pelo técnico Mano Menezes, que vem cobrando da direção uma resposta imediata sobre a sua continuidade. Porém, o esforço da nova direção para chegar a um acordo com o São Paulo, pode resultar no pagamento da compra dos direitos econômicos do atleta até 2019 e ainda perder o também volante Ariel Cabral.

De acordo com informação recebida pelo SuperFC, com uma pessoa que vem participando de toda a negociação entre o Cruzeiro e o São Paulo, a Raposa tenta um acordo com o tricolor para pagar o valor previsto em contrato, de R$ 5,7 milhões, em seis parcelas trimestrais, começando a primeira, em janeiro de 2018.

Desta feita, a direção celeste gastaria cerca de R$ 1 milhão a cada três meses para pagar o valor da multa de Hudson e encerraria o valor do acerto ao final de 2019. O São Paulo aceita tal situação, já que está prevista em contrato, mas tenta um acordo para receber esta quantia de forma menos fatiada.

Segundo apuração do SuperFC, o tricolor paulista desejou incluir o volante Ariel Cabral na negociação, como forma de abater o valor para “facilitar” a compra por parte do Cruzeiro. O nome do argentino foi levado a direção do São Paulo por Lucas Pratto, que em reunião com os dirigentes cobrou um time mais forte para 2018.

Ariel Cabral e Lucas Pratto atuaram juntos por vários anos com a camisa do Vélez da Argentina e se separaram justamente em Belo Horizonte, quando cada atleta foi para um clube rival. O nome do volante agradou o tricolor, mas liberar o argentino não faz parte dos planos de Mano Menezes, que gosta do jogador que se recupera de lesão.

A negociação entre as duas diretorias segue acontecendo, mas sem um desfecho próximo. Itair Machado tem sido o responsável em fazer toda a tentativa de acordo. O que atrasou as conversas foi a negociação, paralela, da venda do lateral-esquerdo Edimar ao São Paulo. O tricolor chegou a um acordo de valores com a atual diretoria azul, presidida por Gilvan de Pinho Tavares. E a quantia de R$ 350 mil prevista para que a Raposa libere o lateral, não agradou ao novo mandatário, Wagner Pires de Sá.

Apesar disso, como está em contrato a liberação com um “desconto”, o São Paulo vai ficar com o seu lateral titular para 2018 de forma definitiva. Tal valor, também não poderá ser abatido na negociação envolvendo Hudson, o time paulista e o Cruzeiro, o que também não agradou a nova direção azul.

SUPERFC 
 

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *