Ala de Wagner Pires de Sá e Itair promete proposta de compra do Cruzeiro por árabes

GE

A “Família União”, ala política do ex-presidente Wagner Pires de Sá (que renunciou ao cargo em dezembro), Itair Machado e Sérgio Nonato – desligados do clube ano passado –, segue ativa nos bastidores do Cruzeiro. E promete uma “bomba”, como descreveu Vitorio Galinari, conselheiro nato e articulador da ala. Segundo ele, uma proposta de compra do clube mineiro será apresentada ao conselho gestor e ao conselho deliberativo em até duas semanas.

A afirmação foi em entrevista à Rádio Super, na tarde de quinta-feira (09/01). Segundo Galinari, que foi um dos grandes articuladores e defensores da chapa de Wagner Pires, virando diretor da sede campestre, após a eleição, a situação chegou a ele e a Alexandre Comoretto, associado do clube e que foi demitido do Cruzeiro nesta semana.

 
Vitorio Galinari (de óculos) é aliado de Wagner Pires — Foto: GloboEsporte.com
Vitorio Galinari (de óculos) é aliado de Wagner Pires — Foto: GloboEsporte.com

– Nós, eu e o Alexandre Gaúcho, fomos procurados e estamos em contato, já algum tempo, com o mundo árabe. Dentro de, no máximo, duas semanas, vamos ter uma proposta. Não posso falar qual é o país ainda. É concreto, ontem tivemos uma reunião. A proposta, basicamente, seria a compra do futebol do Cruzeiro, assumindo todo o passivo, as dívidas do Cruzeiro, eles vão assumir. O Cruzeiro continua como clube social.

– No futebol, a partir do momento que o Cruzeiro tiver lucro, o Cruzeiro vai ter participação, no nosso projeto é 30%. Hoje, o Cruzeiro dá prejuízo, eles vão assumir. Se amanhã quebrar, o Cruzeiro começa do zero, mas não tem dívida. Então, isso não é utopia. É concreto. Possibilidade real de ser vendido. Vai ser apresentado ao conselho gestor, junto do conselho deliberativo, a proposta de recuperação do Cruzeiro para a venda.

A ala “União” foi quem elegeu Wagner Pires de Sá em outubro de 2017. Ainda com muitos integrantes no conselho deliberativo do Cruzeiro, o grupo tem alguns dos seus integrantes investigados pela Polícia Civil e Ministério Público por suspeitas de irregularidades na condução do Cruzeiro, como lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e alteração de documentos.

Na gestão de Wagner, o Cruzeiro continuou deficitário em seus balanços. O último apresentou R$ 27 milhões de déficit, com aumento da folha salarial e dívida total chegando aos R$ 800 milhões. O Cruzeiro foi procurado para se pronunciar, mas ainda não retornou à reportagem.

LEIA MAIS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.