Acordo sobre migração tem forte teste pela frente

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 115 Visualizações

Lusa

Um consenso sobre gestão de migração, cujas boas intenções vão ser testadas nos próximos meses, não foi a única conclusão da cimeira da União Europeia, em Bruxelas.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, anunciou que vai aos EUA, no final de julho, falar de comércio: “Devemos desdramatizar estas relações, tanto nós como os EUA precisamos destas relações.”

Coube ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, ser pragmático sobre o acordo para gerir a migração e asilo, que se baseia em mais dinheiro, mais guardas nas fronteiras e voluntariado para receber quem procura proteção na Europa.

“É muito cedo para falar de sucesso. Conseguimos chegar a um acordo no Conselho Europeu. Mas esta é, de facto, a parte mais fácil da tarefa, comparando com o que nos aguarda no terreno”, disse Tusk.

Havendo tão poucas pessoas a chegar à Europa (45 mil em 2018), por comparação com o pico em 2015 (cerca de um milhão), o primeiro-ministro da Bulgária foi ainda mais direto sobre a natureza do conflito que divide os Estados-membros.

Chegar a um acordo é a parte mais fácil da tarefa, comparando com o que nos aguarda no terreno | Donald Tusk, Presidente, Conselho Europeu

“Esta não é uma crise migratória, é uma crise política porque há 90% menos migrantes do que há dois anos”, realçou Boyko Borissov, no penúltimo dia da primeira presidência semestral da União Europeia a cargo do país.

Além dos novos centros europeus para triagem de migrantes e refugiados, esse processamento poderá também ser feito em plataformas a criar em países terceiros.

A organização humanitária OXFAM está muito cética: “Os líderes não têm idéia de como podem fazer esse sistema funcionar. Recordo que temos centros de acolhimento, conhecidos por hotspots, no interior da União Europeia, e não funcionam. As pessoas vivem em condições horríveis. Logo, perguntou-me como poderia isto funcionar melhor fora da União Europeia? Tenho sérias dúvidas”, disse, à euronews, Florian Oel, porta-voz da organização em Bruxelas.

O primeiro-ministro português, António Costa, elogiou, no final da cimeira, a chanceler alemã Angela Merkel por estar “do lado certo daquilo que são os valores da Europa”, e escusou-se a comentar “outras atuações para fins mediáticos”, referindo-se ao italiano Giuseppe Conte.

“Portugal não se candidata, nem havia razões para isso”, esclareceu o primeiro-ministro português, quando questionado sobre se o país seria candidato a acolher centros controlados, destinados a receber pessoas resgatadas em operações de salvamento no Mediterrâneo.

Costa salientou ainda as participações ativas de Portugal, “através do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, da GNR, e da Marinha”, no patrulhamento da fronteira externa, e a ação solidária com os migrantes, que levou o Governo português a assumir “uma quota de aceitação de refugiados que é largamente superior à quota obrigatória da União Europeia”.

“Agora do ponto de vista bilateral temos procurado, designadamente com a Alemanha, encontrar formas de ajudar países que estão sob pressão excessiva a colocarem em Portugal pessoas que tenham, em Portugal, a oportunidade de realizar a sua vida”, acrescentou ainda.

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *