Vereador quer obrigar Vale a informar tempo de exploração de suas minas em Itabira  

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 132 Visualizações

André Viana apresentou proposta as Comissões Temáticas da Câmara

“Fica determinado às empresas mineradoras instaladas no município de Itabira, a obrigatoriedade de informar ao Poder Executivo Municipal, o tempo de vida útil de exploração/explotação de suas respectivas minas, bem como eventuais paralisações de suas atividades e desligamento de mão de obra em grande escala”.  

Esta é a redação do Projeto de Lei 59/2018 apresentado pelo vereador André Viana Madeira (Podemos) que tramita na Câmara Municipal.
 
A intenção é fazer com que a Vale mantenha a Prefeitura informada de seu tempo de exploração mineral em Itabira, afim de que haja uma segurança econômica no município. Este tipo de informação, segundo justificou o vereador, dará a oportunidade de realizar um planejamento econômico no município sem que a população seja pega de surpresa com o fim das atividades.   
 
O vereador relatou as principais dividas que a Vale tem com o município e demonstrou preocupação com a divulgação de um documento, chamado 20F, destinado à Bolsa de Valores de Nova York, no qual a empresa aponta o fim das operações em Itabira em 2028.  
 
“De acordo com o secretário de Fazenda, Marcos Alvarenga, a dívida da Vale com [com o município] é cerca de R$ 85.000.000,00 (oitenta e cinco milhões), sem multas, e cerca de R$ 180.000.000,00 (cento e oitenta milhões) com multas e encargos”, diz um trecho da justificativa apresentada pelo vereador anexa ao projeto.  
 
O projeto- Na redação da proposta apresentada por André Viana, a paralisação citada é considerada a suspensão temporária ou definitiva da exploração “em virtude de oscilações do mercado e decisões internas da empresa”.  
 
Já o desligamento em grande escala é caracterizado pelas demissões acima de 50 funcionários ou correspondente a um desligamento de mais de 20% do seu quadro total de funcionários no período de um ano.  
 
Apesar de já estar tramitando na Câmara Municipal, o projeto não foi liberado para a pauta da votação na próxima semana.  

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *