Existe um tratamento minimamente invasivo contra a artrose

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 105 Visualizações

No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, 15 milhões de pessoas sofrem com a artrose, doença ques está entre as quatro que mais reduzem a qualidade de vida do paciente. O ortopedista Otávio Melo lembra que o problema inflamatório é degenerativo e afeta as articulações. “A doença envolve tanto as cartilagens, ossos e pode ocorrer em todas as articulações do corpo, incluindo joelhos, coluna e mãos. As consequências são muitas dores e déficit de movimento com rigidez”, comenta o especialista.

Mas, o médico lembra que existe uma nova técnica capaz de reduzir ou eliminar as dores causadas pela artrose, sem a necessidade de cirurgias invasivas ou colocação de próteses. “Trata-se da rizotomia percutânea por radiofrequência, um procedimento rápido, eficaz e sem cortes. Por meio de eletrodos em formato de agulhas, posicionados precisamente sobre os nervos responsáveis pela dor, é realizada a aplicação de uma radiofrequência que reduz a condução do impulso doloroso”, explica o ortopedista.

A artrose é um problema inflamatório degenerativo que afeta as articulações e provoca dor crônica. A boa notícia é que pode ser tratada sem o uso de cirurgias (foto: Hand411.com/Reprodução)

 

Ainda de acordo com Otávio Melo, o procedimento leva poucos minutos e favorece o alívio das dores por um longo período, sendo mais durador que as infiltrações e bloqueios. “O paciente recebe alta logo após o procedimento e já percebe a redução ou eliminação da dor imediatamente. Dessa forma, é possível suspender ou diminuir drasticamente o uso de medicamentos analgésicos, e realizar atividades físicas que antes seriam impossíveis devido a dor”, garante o especialista.

O ortopedista acrescenta que o procedimento não necessita de cortes nem pontos, sendo realizado com auxílio de aparelhos de radiologia ou ultrassom. Além disso, ele é destinado a pessoas que sofrem de dor crônica resultante da artrose e que não querem ou não podem ser submetidas a procedimentos mais agressivos, como cirurgias. (Revista Encontro)

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *