Comissariado da Infância e Juventude vistoriam comunidade terapêutica

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 180 Visualizações

Foto: Euclides Éder

Por orientação do COMPPUD (Conselho Municipal de Políticas Públicas sobre Drogas), agentes de Proteção da infância e Juventude de Itabira com apoio dos militares do GEPMOR (Grupamento Especializado em Policiamento Motorizado) vistoriaram dia 4 de maio, a comunidade terapêutica Ágape, localizada na localidade rural de Rio de Peixe, próximo à região de Bateias, zona rural de Itabira.

Pessoas que são abordadas principalmente no entroncamento da rua São José, com a Salvino Paschoal e avenida João Pinheiro, no Centro questionam as doações solicitadas por membros da comunidade, com a justificativa de arcar com as despesas das pessoas em recuperação.

No local não havia documentação necessária para funcionamento de uma clínica terapêutica e um relatório mostrando as condições foi lavrado pelos Comissários acompanhados da polícia, para que o Poder Judiciário tome conhecimento da situação.  Não havia alvará de funcionamento e apenas um contrato foi apresentando, mostrando como deve ser o comportamento dos atendidos. O responsável pela “casa”, identificado como pastor Jonatan Guedes da Igreja Internacional Ágape não estava no local, no momento da operação de verificação.

O responsável pelos doze internos forneceu contato com o pastor, para que as demais medidas fossem tomadas. Cada membro da comunidade preenche um cadastro com os dados pessoais e estabelecendo concordância com as regras de convivência. Segundo as pessoas que estavam morando no local, alguns trabalham, e os demais recursos para arcar com aluguel e manutenção do espaço são obtidos através de doações. A internação não é compulsória, assim as pessoas no suposto tratamento tem liberdade de continuar na comunidade, ou deixar o local.

Edson Taveira, o Edinho Caratê, coordenador dos Comissários e presidente do COMPPUD avaliou o trabalho. “Fazemos parte do COMPPUD, ou seja Comissários da Infância e Juventude, e o COMPPUD  juntos com a PM na fiscalização dessa comunidade terapêutica. Nosso trabalho é preservar a vida e manter a ordem social,” explicou. (Site Euclides Éder)

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *