quinta-feira, 21 outubro, 2021

Minas fecha 2017 com a menor taxa de homicídios dos últimos seis anos

Leia Também

 70 Visualizações

A criação do programa de instalação de bases comunitárias nos bairros da capital foi avaliada como uma das ações fundamentais para a melhora nos números

A criação do programa de instalação de bases comunitárias nos bairros da capital foi avaliada como uma das ações fundamentais para a melhora nos números

Queda nos números de homicídios em Minas. O ano de 2017 registrou a menor taxa de assassinatos dos últimos seis anos. Foram 18,8 vítimas crimes para 100 mil habitantes. Na comparação com o ano anterior, a queda foi de 6% no Estado. Na avaliação da capital, a redução é de 11 %.

O registros de roubo no ano passado apresentaram queda de 14 % em Minas e 17,4% em BH. As estatísticas foram apresentadas nesta sexta-feira no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte. Para o governo de Minas, o resultado reflete os investimentos na área da

Dos 12 indicadores monitorados pela Secretaria de Segurança Pública (Sesp), oito apresentam redução. Dentre eles, a extorsão mediante sequestro (-35%). Já o estupro de vulnerável tentado e consumado continua como o grande desafio do sistema de segurança pública para 2018.

“Nós tivemos uma redução muito significativa, em Minas Gerais, dos índices de criminalidade. O índice de roubos consumados, que é aquele tipo de crime que afeta diretamente a qualidade de vida da população, também apresenta queda”, disse o governador Fernando Pimentel.

Nossa expectativa, com o trabalho de inteligência que está sendo feito, com o trabalho conjunto da Polícia Militar e da Polícia Civil, é de um número ainda menor em 2018. Então, isso é o que aponta a curva nesses primeiros meses”, completou Fernando Pimentel.

Outro ponto destacado pelo governador foi o índice de apuração de homicídios em Minas Gerais comparado ao resto do país. “No Brasil, vocês vão até se surpreender com o número que é escandalosamente baixo, de 8% a 10% do total. Em Minas, esse número era de 45% em 2016 e subiu, em 2017, para 50%. Isso mostra que o investimento que nós estamos fazendo nas forças de segurança está mostrando resultados. Nós temos hoje, e posso falar isso sem nenhum medo de errar, um dos estados mais seguros do Brasil”, concluiu Fernando Pimentel.

Avaliação

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Helbert Figueiró de Lourdes, acredita que os números são um marco para o Estado. “No geral, esse resultado de 2017 não é comemorado apenas como uma simples redução nos índices. A nossa perspectiva é de, no máximo, em 2018 ou 2019, devolver ao cidadão mineiro aquela tranquilidade para sair de casa durante o dia, durante a noite. Esse é o nosso objetivo”.

Segundo o secretário de Estado de Segurança Pública, Sérgio Menezes, a queda dos homicídios está relacionada à integração e ao investimento prioritário na área da segurança. “Com prevenção e tecnologia, temos tido resultados bastante expressivos na segurança em Minas Gerais”, afirmou Menezes.

O secretário ainda tranquilizou os mineiros em relação à migração de bandidos do Rio de Janeiro para Minas Gerais, em função da intervenção federal naquele estado. “Temos conversado muito entre os chefes da segurança de Minas Gerais, e essa possibilidade é mínima. A Polícia Militar está atenta a isso e desencadeou operações na divisa”, disse.

O chefe da Polícia Civil, João Octacílio Neto, informou que a instituição está com um projeto de expansão das delegacias especializadas. “Recentemente, elevamos à Departamento de Meio Ambiente a Divisão de Meio Ambiente, com uma estrutura maior para uma atuação mais efetiva. Da mesma forma, criamos o Departamento de Crimes Patrimoniais, onde nós reeditamos as delegacias especializadas de furtos e roubos, roubos a bancos”, disse.

Bases comunitárias

A criação do programa de instalação de bases comunitárias nos bairros da capital foi avaliada como uma das ações fundamentais para a melhora nos números. “A sensação de segurança aumentou”, reforçou Pimentel.

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Helbert Figueiró de Lourdes, destacou que a formatura de 1.400 novos soldados, em abril, possibilitará que a ação seja estendida para a região metropolitana. Além de Ibirité, onde o trabalho já está sendo realizado, Contagem, Betim, Vespasiano e Ribeirão das Neves receberão as bases. Ainda segundo o coronel Helbert, os horários das bases na capital também deverão ser estendidos.

+ Segurança

Dentre os investimentos feitos está o programa “+ Segurança”, que colocou à disposição das polícias Militar e Civil 2.008 viaturas. São mais de 2,8 mil novos militares nas ruas nos últimos meses para atendimento ao cidadão, e 1.149 investigadores em atuação. Além disso, o governo abriu concurso para 76 novos delegados.

Outras duas ações de gestão também têm contribuído para a redução dos índices e foram potencializadas no último ano. O Grupo de Intervenção Estratégica de Enfrentamento a Roubos (GIE-R) e o Grupo de Intervenção Estratégica de Enfrentamento a Homicídios (GIE-H) visam acompanhar e priorizar inquéritos, mandados, prisões e outras intervenções com resultados na segurança de alvos recorrentes. São compostos por representantes da Secretaria de Estado de Segurança Pública, Ministério Público, Polícia Civil, Polícia Militar e Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap).

O balanço completo, com os 12 índices monitorados pela Sesp, estão disponíveis no site seguranca.mg.gov.br

Próxima postagem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *