domingo, 27 setembro, 2020

Fábrica de amônia em liquidação; Petrobras colocará equipamentos à venda

Terreno onde começou a ser construída a fábrica de amônia possui 1 milhão de metros quadrados e foi cedido pela Codemig à Petrobras

Terreno onde começou a ser construída a fábrica de amônia possui 1 milhão de metros quadrados e foi cedido pela Codemig à Petrobras

A tão esperada fábrica de amônia (Unidade de Fertilizantes Nitrogenados – UFN-V) que seria construída em Uberaba, no Triângulo Mineiro, para tirar do Brasil a dependência de importar fertilizantes, está prestes a se tornar um elefante branco responsável por corroer dinheiro público. Com 34,6% das obras concluídas e depois de investir R$ 649 milhões, a Petrobras, dona das obras, não só desistiu do empreendimento, como colocou à venda maquinários e peças que seriam usadas na produção da amônia, principal insumo de fertilizante.

“Estima-se que o equipamento será vendido 25% mais barato do que o valor comprado”, afirma o prefeito de Uberaba, Paulo Piau (PMDB). Políticos, população e o Ministério Público Federal (MPF) temem que o desmonte da planta iniba investidores externos, que seriam a salvação da fábrica.

O procurador da República em Uberaba, Thales Messias Pires Cardoso, pediu esclarecimentos à Petrobras sobre o caso. Além dos equipamentos, ele ressalta que grande parte do investimento foi aplicado em obras de terraplenagem e outras intervenções no terreno de aproximadamente 1 milhão de metros quadrados, cedido pela Codemig.

Caso haja o desmonte da planta, o valor que foi destinado às obras será perdido. “A preocupação do MPF é saber como o dinheiro gasto até agora voltará para os cofres públicos. A dúvida é se não haverá desperdício do dinheiro público, o que não pode acontecer”.

O prazo para que a estatal respondesse aos questionamentos do procurador se encerrava ontem. Até o final desta edição, a Petrobras ainda não havia respondido à demanda. Caso a empresa não se posicione ao MPF, ela pode responder por crime de desobediência. “Acredito que eles responderão, pois sabem das consequências”, diz o procurador da República.

Cardoso vai investigar, ainda, a possibilidade de venda de equipamentos que foram comprados pela Petrobras, mas que ainda não chegaram em solo brasileiro. Eles teriam sido repassados a compradores, sem serem incluídos no certame.

Propostas
A venda dos ativos com foco em fertilizante pela Petrobras é inevitável. A companhia já afirmou diversas vezes que não tem interesse no negócio. Na avaliação de Paulo Piau, no entanto, o ideal seria que a planta de amônia de Uberaba fosse oferecida à iniciativa privada nos mesmos moldes da fábrica de Três Lagoas (MS), cujas obras estão 80,95% concluídas, e de outra planta localizada em Araucária (PR). Elas serão disponibilizadas ao mercado em conjunto. A venda será das plantas completas, não dos equipamentos apenas.

“Nós queremos que a planta de Uberaba entre neste pacote. Sabemos que a empresa não vai operá-la, mas queremos que o negócio vá adiante”, diz o prefeito. Ele ressalta que 4,7 mil empregos seriam gerados na construção da fábrica. Outros 270 seriam mantidos quando ela começasse a operar, em 2017.
 

Gasoduto de SP será usado, caso planta saia do papel

A paralisação das obras da fábrica de amônia de Uberaba, em 2015, e o cancelamento dos planos da Petrobras de operar a planta jogaram por terra a construção do gasoduto que abasteceria o empreendimento, além de outras fábricas pelo caminho, aumentando o desenvolvimento do Estado.

No plano inicial, o gasoduto sairia de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), e percorreria 457 quilômetros (km) pelo traçado da BR-262, chegando a Uberaba. O investimento se aproximaria de R$ 1,8 bilhão. Mais tarde, houve alteração no projeto. Com a mudança, o ramal teria origem em Queluzito, na Região Central de Minas Gerais. “Sem a planta de Amônia, um gasoduto longo cai por terra”, justifica o prefeito de Uberaba, Paulo Piau.

Na avaliação do prefeito, a melhor saída atualmente é levar o gás a Uberaba por meio de Ribeirão Preto ou São Caetano. Isso, se a planta for adiante.
Embora Ribeirão Preto esteja mais próximo e fosse mais fácil levar o gás de lá, o gasoduto teria que atravessar a fronteira de São Paulo para Minas Gerais, o que não é permitido por lei.

A solução, neste caso, seria uma decreto presidencial. A ex-presidente Dilma Rousseff já havia criado o decreto quando foi destituída do cargo por meio de impeachment. No entanto, ele não chegou a ser publicado.

Paulo Piau afirma que possui bom trâmite com Michel Temer e acredita que o presidente assinará o decreto. A Petrobras não se manifestou.

Audiência pública
A Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realiza hoje, às 14h30, audiência pública para discutir com a população a venda dos equipamentos da Unidade de Fertilizantes Nitrogenados – UFN-V , conhecida como fábrica de amônia de Uberaba.

O requerimento para realização da audiência pública é de autoria do presidente da Comissão de Agropecuária e Agroindústria, Antonio Carlos Arantes (PSDB), do presidente da Comissão de Minas e Energia, João Vítor Xavier (PSDB), e do deputado Duarte Bechir (PSD).

Representantes da Petrobras, da Câmara Municipal de Uberaba, da Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig) e o prefeito de Uberaba, Paulo Piau, confirmaram presença.

“Paralisar o projeto e vender os equipamentos de forma separada é um absurdo, pois inviabiliza que outras empresas se interessem pelo fábrica de amônia. Vender ativos para pagar a conta é loucura. O que paga a conta é o país produzindo”, diz João Vitor Xavier.

Portal HD

Postagens Relacionadas

Próxima postagem
Inscreva-se
Notificação
guest
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.