Bares, escola, ônibus e estádio de futebol: veja chance de encontrar alguém com Covid-19 em BH

Dados do boletim do Comitê Popular de Enfrentamento à Covid-19 em Belo Horizonte indicam a possibilidade de encontrar alguém infectado com o vírus em variados espaços da capital. A estatística é calculada a partir da taxa de incidência do vírus por 100 mil habitantes, atualmente em 381. 

Shoppings que movimentam mais de 1,4 mil  pessoas, o Parque Municipal e estádios de futebol, como o Mineirão e a Arena Independência, apresentam o maior risco.

Nesses locais, é certo o encontro com alguém infectado com o vírus. Em um ônibus do Move, com o limite da capacidade para 77 passageiros, a chance é de 25%. Já em bares e restaurantes, com 200 clientes, 53%.

Veja os riscos de ter pelo menos uma pessoa infectada:

  • Reunião de família (com 10 pessoas): 4%
  • Sala de aula (com 50 pessoas): 17%
  • Ônibus Move lotado (com 77 pessoas): cerca de 25%
  • Festas de grande porte (com 100 pessoas): 32%
  • Bares e restaurantes (com 200 pessoas): 53%
  • Mercado Central (com 400 pessoas): 78%
  • Parque das Mangabeiras (com 1.000 pessoas): 98%
  • BH Shopping (com 2.000 pessoas): 100%
  • Parque Municipal (com 3.00 pessoas) 100%
  • Mirante Olhos D’Água (com 5.000 pessoas): 100%
  • Independência (com 10.00 pessoas): 100%
  • Mineirão (com 20.000 pessoas): 100%

Uso de máscara e vacinação
Na avaliação do infectologista Carlos Starling, integrante do Comitê Popular de Enfrentamento à Covid-19, o uso de máscaras, principalmente em lugares fechados, e o calendário de vacinação atualizado são essenciais para garantir a proteção e evitar casos graves da doença. 

“Aglomerações exigem o uso de máscara. Você só estará seguro se estiver com o item e vacinado”, reforça o especialista. 

Taxa de normalidade 
O boletim também atualizou dados da chamada taxa de normalidade em Belo Horizonte, que está em 68% — no fim de março, por exemplo, esse indicador estava em 92%. A métrica leva em conta dados como incidência da Covid, mortalidade e nível de vacinação. 

“Os dados mostram que nossa taxa de normalidade ainda está baixa em função da incidência ainda muito alta”, destacou o especialista.

Fonte: Hoje Em Dia 

LEIA MAIS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.