Posicionamento de Pence pode impactar sua candidatura em 2024

 361 Visualizações

Em uma parada em New Hampshire na noite de quinta-feira (3), o ex-vice-presidente dos Estados Unidos Mike Pence defendeu sua conduta em 6 de janeiro e, no processo, pode muito bem ter condenado (ou pelo menos prejudicado) suas chances como candidato presidencial republicano nas eleições norte-americanas em 2024.

“6 de janeiro foi um dia sombrio na história do Capitólio dos Estados Unidos”, disse Pence. “Naquele mesmo dia, reunimos novamente o Congresso e cumprimos nosso dever … Você sabe, o presidente Trump e eu conversamos muitas vezes desde que deixamos o cargo e não sei se algum dia estaremos de acordo sobre esse dia”.

Pence está certo, é claro. A violenta insurreição no Capitólio dos Estados Unidos, que deixou mais de 100 policiais feridos e cinco mortos, foi um cataclismo que a democracia americana raramente viu igual.

E Pence, como vice-presidente naquele dia, não tinha outra função além de cerimonial – supervisionar a certificação formal da contagem de votos eleitorais que mostrava Joe Biden como o vencedor das eleições de 2020.

Nenhum desses fatos o protegerá da ira de Donald Trump e da base que o ex-presidente comanda.

Trump tem, nas últimas semanas, mergulhado cada vez mais na loucura das teorias da conspiração que sugerem que ele será reintegrado como presidente em breve, como recontagens e auditorias de partes dos votos no Arizona e na Geórgia.

Ele também está, de acordo com Maggie Haberman do The New York Times, “queimando o filme de Pence para várias pessoas, e para o doadores do RNC [Comitê Nacional Republicano, o principal braço de arrecadação de fundos do Partido Republicano], por não exceder sua autoridade legal naquele dia, o que se amplificou depois que o contrato do livro de Pence foi anunciado”. (Pence assinou um contrato multimilionário de dois livros em abril).

O que Trump fez foi tornar o reconhecimento da verdade do que aconteceu em 6 de janeiro – e seu papel nisso – uma espécie de teste de lealdade para republicanos ambiciosos. Conte a verdade sobre aquele dia e corra o risco de se tornar a próxima Liz Cheney, sem o cargo de liderança republicana. Minta sobre aquele dia – ou tente minimizar o perigo real que o motim representou para os legisladores – e mantenha seu emprego como Kevin McCarthy.

Pence parece estar se colocando, propositalmente, na primeira categoria. O que é uma jogada muito interessante, dado que não há, até o momento, nenhuma evidência de que os republicanos que rompem com Trump em 6 de janeiro têm qualquer tipo de futuro político dentro do partido.

Afinal, a base republicana – ou pelo menos a maioria dela – está convencida de que as mentiras de Trump sobre a eleição são verdadeiras. Considere estes números de uma pesquisa nacional recente da Reuters/Ipsos:

* 53% dos republicanos na pesquisa disseram que Donald Trump era o “verdadeiro” presidente, enquanto 47% disseram Joe Biden, que é o presidente atual.

* Outros 56% dos republicanos dizem que os resultados das eleições de 2020 foram “o resultado de votação ilegal ou fraude eleitoral”.

* Mais de 6 em 10 GOPers concordaram “fortemente” (39%) ou “um pouco” (22%) com a declaração de que a eleição de 2020 “foi roubada de Donald Trump”.

Os eleitores da base tendem a ter uma voz desproporcional na escolha do candidato presidencial. E os eleitores da base republicana – pelo menos até agora – acreditam que Trump teve a eleição roubada. E Trump, com a cumplicidade voluntária de muitos líderes republicanos no Congresso, está tentando reescrever o que aconteceu em 6 de janeiro.

Pence não está lendo esse script. O que, à sua maneira, é admirável. Mas, a menos que as opiniões do Partido Republicano sobre Trump mudem radicalmente entre agora e 2024 (sempre possível!), A posição de Pence em 6 de janeiro pode muito bem desqualificá-lo de uma consideração séria pelos eleitores republicanos nas primárias.

Fonte: CNN BRASIL

 

LEIA MAIS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.