Em Israel, pesquisas boca de urna indicam novo impasse político para Netanyahu

 522 Visualizações

Benjamin Netanyahu agradeceu aos eleitores de Israel por fazer do Likud o maior partido da quarta eleição do país em dois anos, mas as projeções das pesquisas de saída das três principais redes de TV israelenses apontam cada vez mais para um período de novo impasse político.

Em um momento de muita expectativa, as redes de TV publicaram suas projeções de votação de saída um minuto após zonas eleitorais encerrarem, às 22 horas, hora local (17h do horário de Brasília). No início da apuração todos os três canais previram uma pequena maioria de 61 cadeiras no parlamento de 120 para o bloco religioso e de direita chefiado por Netanyahu.

Mas em quatro horas, quando os resultados começaram a chegar, todos os três canais revisaram suas previsões em desfavor do líder israelense, com dois prevendo 60 assentos para o bloco de Netanyahu, enquanto um terceiro tinha apenas 59.

O próprio Likud tinha previsão de ganhar 30 assentos para dois dos canais, o que o coloca 12 assentos à frente de seu adversário mais próximo, o centrista Yesh Atid, liderado pelo ex-âncora de notícias de TV Yair Lapid.

Dirigindo-se a apoiadores do Likud em Jerusalém às 2h30, Netanyahu foi desafiador, dizendo que faria tudo ao seu alcance para construir um governo de direita estável e evitar que o país fosse arrastado para a quinta eleição.

“Não excluo ninguém no Knesset que acredite nesses princípios”, disse ele, ao fazer um apelo claro a Gideon Saar – que deixou o Likud no final do ano passado para lançar seu próprio partido Nova Esperança em oposição a Netanyahu – para que volte na dobra.

O New Hope parece ter se saído mal na pesquisa de terça-feira, mas seus seis assentos previstos seriam mais do que o suficiente para garantir a Netanyahu uma maioria no parlamento, juntamente com o apoio de dois partidos religiosos, além de um partido de direita liderado pelo ex-ministro da Defesa Naftali Bennett, e o partido de extrema direita do Sionismo Religioso – que inclui seguidores do extremista Rabino Meir Kahane, cujo próprio partido político foi banido do Knesset na década de 1980 por ser racista.

Mesmo que as projeções de resultados finais tenham escapado de Netanyahu, seus oponentes fragmentados parecem enfrentar uma tarefa ainda mais difícil para construir uma coalizão viável. No papel, uma aliança de sete partidos abrangendo todo o espectro da direita para a esquerda, incluindo os partidos árabes, poderia se encontrar com mais de 60 assentos, mas dada a história da política israelense, onde nenhum partido árabe jamais esteve no governo, é difícil imaginar que tal coalizão seja facilmente formada.

Binymin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel
Benjamin Netanyahu, atual primeiro-ministro de Israel Foto: Gali Tibbon / Reuters (16.fev.2020)

Mesmo assim, o principal líder da oposição Yair Lapid, durante agradecimento aos eleitores por parecerem ter impedido o partido do Sionismo Religioso de se tornar parte do governo, prometeu trabalhar com outros líderes partidários nas próximas semanas.

“Vamos esperar os resultados finais, mas do jeito que está não haverá um governo baseado nos votos dos racistas e homofóbicos. Comecei a falar com os líderes do partido. Mas faremos de tudo para criar um governo em Israel “, disse ele.

A eleição foi desencadeada em dezembro, quando o parlamento não chegou a um acordo sobre orçamento, encerrando assim um acordo de divisão de poder de sete meses entre Netanyahu e seu principal rival nas três eleições anteriores, Benny Gantz. O ex-chefe do Exército emergiu do acordo de unidade, assinado durante a primeira onda de infecções crescentes por coronavírus em abril passado, amargamente desiludido com sua decisão de entrar para o governo, admitindo: “Eu estava errado”.

Mas ao contrário das expectativas de algumas semanas atrás, Gantz parece ter se saído surpreendentemente bem na eleição de terça-feira, com duas redes de TV projetando que ele termine com oito cadeiras. Ele fez uma figura otimista dirigindo-se a seus apoiadores nas primeiras horas da quarta-feira, declarando: “Se formos forçados a enfrentar um quinto turno das eleições, protegerei vigilantemente nossa democracia, Estado de direito e segurança. Porque Israel vem primeiro.”

O Partido Trabalhista de centro-esquerda, sob seu novo líder, Merav Michaeli, e o partido de esquerda Meretz também parecem ter se apresentado no limite superior das expectativas, a caminho de ganhar cerca de 14 cadeiras entre eles.

Apoiadores Netanyahu
Apoiadores do presidente de Israel, Benjamin Netanyahu, durante protesto em Jerusalém (24.mai.2020) Foto: Amir Cohen/Reuters

A Lista Conjunta, uma aliança de três partidos, principalmente árabes, comprometidos com a derrubada de Netanyahu, está prevista para ganhar cerca de oito ou nove cadeiras. A Lista Árabe Unida, que se separou da Lista Conjunta em janeiro, não deve ultrapassar o limiar eleitoral de 3,25%.

Os resultados finais podem levar uma semana para serem certificados. Depois disso, os líderes de todos os partidos que ganharam representação no Knesset visitarão o presidente Reuven Rivlin e dirão a ele quem eles apoiam para o primeiro-ministro. Tudo indica que em 7 de abril o presidente pedirá a um deles que tente construir um governo. Se as projeções atuais forem confirmadas, haverá pouco otimismo de que as negociações da coalizão produzirão um resultado, com muitos parecendo resignados para outra campanha para as eleições gerais em algum momento durante o verão.

Fonte: CNN BRASIL

LEIA MAIS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.