Congresso dos EUA retoma sessão após invasão

 264 Visualizações

O Congresso dos Estados Unidos retomou na noite desta quarta-feira (6) a sessão de contagem dos votos do Colégio Eleitoral, que elegeu Joe Biden e Kamala Harris como presidente e vice-presidente dos Estados Unidos.

A sessão foi interrompida no meio da tarde após manifestantes em defesa do presidente Donald Trump invadirem o Capitólio em forma de protesto contra os resultados da eleição de 3 de novembro. 
Assista e leia também:
Morre mulher baleada durante invasão de manifestantes pró-Trump ao Capitólio
Democracia dos EUA sofre um ataque inédito, diz Biden após invasão ao Congresso
Violência no Capitólio deve parar agora, diz vice-presidente Mike Pence
A sessão foi retomada pelo vice-presidente Mike Pence, que também é o presidente do Senado. O vice de Trump condenou os protestos e e afirmou que o Congresso “retorna no mesmo dia para defender a Constituição”.
Mais cedo, Pence entrou em rota de colisão com Donald Trump. O vice era a última esperança do presidente de impedir a certificação da vitória da chapa Biden-Harris. Em nota publicada mais cedo, Mike Pence afirmou que vai respeitar o rito, cumprindo as suas obrigações constitucionais.

Objeções

A sessão do Congresso foi retomada na mesma altura em que havia parado por conta da invasão — na avaliação da contestação ao resultado no Arizona. Os senadores republicanos Paul Gosar e Ted Cruz contestaram a vitória de Biden no estado, mas a alegação foi rejeitada no Senado (por 93 a 6 votos) e na Câmara dos Reprensetantes (por 303 a 121 votos).
Outra objeção esperada, a do estado da Geórgia, não foi adiante no Senado. A republicana Kelly Loeffler, senadora do estado derrotada na terça-feira ao tentar reeleição, declarou que não assinaria o pedido após os incidentes violentos da quarta-feira. Com a desistência de alguns senadores republicanos, Mike Pence não encaminhou a objeção para votação.
Mais tarde, uma objeção apresentada pelos senadores Scott Perry e Joshua Hawley foi analisada para contestar a votação na Pensilvânia. No Senado, foi rejeitada por 92 votos a 7. 

 

LEIA MAIS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.