Usina de Rio Baixo é desligada para barrar fluxo da lama antes que ela chegue ao São Francisco

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 104 Visualizações

Portal Hoje em Dia

Para tentar “amortecer” a lama de rejeitos que segue o curso do rio Paraopeba e evitar que ela chegue ao rio São Francisco, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) determinou a interrupção da operação na Usina Hidrelétrica de Retiro Baixo, entre os municípios de Curvelo e Pompéu, na região Central de Minas.[pro_ad_display_adzone id=”44899″ align=”right”]

Segundo a Agência Nacional de Águas, a previsão é que a lama, que percorre o leito do Paraopeba – um dos afluentes do Velho Chico – a 1 quilômetro por hora, chegue até a usina entre os dias 5 e 10 de fevereiro. Após isso, se o sistema de Retiro Baixo não conseguir amortecer a “pluma de sedimentos”, ela deve atingir a Usina Hidrelétrica de Três Marias, a primeira barragem do São Francisco, entre os dias 15 e 20 de fevereiro. 

De acordo com a assessoria do ONS, a usina de Retiro Baixo, que funciona com uma potência de 82 MW, já estava funcionando a baixo de sua capacidade por precaução, a 30 MW, mas foi desligada às 12h desta segunda (28). Mas, ainda conforme o órgão, isso não deve prejudicar o abastecimento de energia, porque há outras fontes no sistema. 

A ideia é que, com o reservatório mais “vazio”, a lama fique “presa” ali e não continue seguindo o curso do rio em direção à Usina de Três Marias. A área do reservatório da Usina de Rio Baixo é de 22,58 km² e uma altura máxima de 44 metros em seu barramento. 

O rio Paraopeba, que nasce no município de Cristiano Otoni, na região Central de Minas, tem uma extensão de 512 km até o seu encontro com o rio São Francisco. 

Veja o boletim divulgado pela ANA nesta segunda:

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *