Itabira, M. Ambiente

Saneamento – “Água do Saae é tratada e não causa disfunções gastrointestinais,” diz diretor

Nesse tempo pós-moderno, em que o mundo virtual muitas vezes suplanta a própria realidade, é aconselhável checar as “informações” que circulam pela internet antes de compartilhar, pois é grande o número de notícias falsas. Essas fake news rapidamente se espalham. E ao serem repetidas mil vezes, acabam virando verdade, como dizia Paul Joseph Goebbelsministro da propaganda de Adolf Hitler, durante a 2ª Guerra Mundial.

Jorge Borges, diretor do Saae: água de Itabira é tratada e não causa infecções bacteriológicas (Fotos: Humberto Martins e Carlos Cruz)

É o caso de uma “recomendação médica”, sem assinatura do suposto médico, que começou a circular na manhã desta sexta-feira (13), aconselhando a população só beber água mineral ou ferver antes de colocar no filtro. “Muitas pessoas na cidade estão com disfunções gástricas. Há possibilidade de ser pela contaminação da água”, diz a “recomendação”.

“É boato”, garante o diretor-técnico do Saae, o engenheiro sanitarista Jorge Martins Borges. “Não há surto de doenças decorrentes do consumo da água servida na cidade. Basta verificar se tem alguma incidência entre os vizinhos para constatar que a informação é falsa.”

De fato, no Pronto-Socorro Municipal não há registro de surto de disfunções gastrointestinais. “Trata-se de notícia falsa. Os casos atendidos pelo Pronto-Socorro são esporádicos e não fogem da normalidade”, informa a assessoria de imprensa da Prefeitura.

Os sintomas decorrentes de uma infecção gastrointestinal são de fácil constatação: dor abdominal, gás intestinal, náusea, vômito, diarreia. São sintomas causados por doença inflamatória, com o acometimento da camada mais superficial que reveste o estômago, chamada mucosa gástrica. “São decorrentes de infecção bacteriana, ocasionada quando a água não é tratada, o que não é o caso de Itabira.”

Coloração amarela

Água contendo ferro e manganês, quando tratada com cloro, pode ter a cor alterada, sem causar dano à saúde

Mas é fato que, em algumas residências, a água tem chegado com a cor amarelada, o que levanta justificada suspeita sobre a sua qualidade. Borges admite que a água proveniente da Estação de Tratamento de Água (ETA) das Três Fontes, e também de parte da água servida pelo sistema Pureza, captada de poços profundos, ocasionalmente pode se apresentar nessa cor, decorrente da variação da oxidação do manganês e do ferro existentes na sua composição.

Entretanto, esses componentes não causam danos à saúde, ele assegura. “Todos esses minerais se dissolvem na água. A cor amarelada ocorre, eventualmente, pela oxidação desses minerais em contato com o cloro, o que pode ocasionar a mudança de cor”, explica o diretor do Saae. Segundo ele, essa alteração não é recorrente – e quando ocorre, o Saae faz a correção com a clarificação da água.

 

O tratamento da água captada dos poços subterrâneos (Três Fontes e ETA Rio de Peixe, que recebe água de poços da mina Conceição) é simplificado, sendo feito somente à base de cloro.

Já a água captada superficialmente (Pureza e Jirau, na ETA Gatos) passa pelo tratamento convencional, ocorrendo a clarificação (limpeza) e a cloração.

Estiagem

Os três sistemas de captação e tratamento de água em Itabira (Três Fontes, Gatos e Pureza) têm capacidade para produzir 400 litros por segundo (l/s). Porém, na estiagem, essa captação chega cair até 30%, daí a necessidade de reduzir o consumo, o que deve ocorrer durante todo o ano.

A partir de 2019, o sistema Gatos receberá reforço de mais 100 l/s, com captação de água no rio Jirau. Com a duplicação dessa ETA, juntamente com a montagem de um anel hidráulico, que fará a interligação das três ETAs, Itabira terá água suficiente para abastecer uma população de até 170 mil habitantes. (Site Vila de Utopia)

ARTIGO ANTERIORARTIGO SEGUINTE

Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notificação

Send this to a friend