Justiça exige licença ambiental para mineradora voltar a atuar no entorno do Rola-Moça

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 101 Visualizações

As atividades na mina Santa Paulina seriam retomadas até julho por meio de liminar obtida em janeiro deste ano; a empresa já se preparava para voltar a minerar

Os planos da mineradora Santa Paulina de voltar a explorar o minério de ferro no entorno do Parque Estadual da Serra do Rola-Moça, na Grande BH, devem ser adiados. Após conseguir, em janeiro deste ano, liminar permitindo os trabalhos, nova decisão da Justiça exige da empresa o licenciamento ambiental, processo em andamento no Estado, para que as atividades sejam retomadas. 

A Santa Paulina já se preparava para minerar no local. De acordo com liminar obtida no início do ano, o empreendimento deve comprovar ações reparadoras no terreno para obter a licença. A previsão era a de que os trabalhos recomeçassem até julho.

O Termo de Ajustamento de Conduta (TAC),firmado entre a Santa Paulina e o governo do Estado garantia que as medidas compensatórias seriam realizadas. Mas, no último dia 26, a juíza Lílian Maciel Santos, da 2ª Vara de Fazenda Pública Estadual e Autarquias, da capital, decidiu que o licenciamento corretivo só poderia ser concedido a empresas que estivessem em operação. Esse, no entanto, não seria o caso da mina, que está embargada desde 2009 pelo Ministério Público (MP). 

Com a sentença, a Santa Paulina terá que buscar a autorização seguindo o processo normal, como a realização de pesquisas de impacto e a aprovação do projeto por órgãos, como o Conselho de Política Ambiental (Copam).

Movimentação

A mudança agrada ambientalistas e moradores, que organizaram um abaixo-assinado para tentar barrar o empreendimento. “A atividade na área coloca em risco a água que abastece milhares de pessoas”, afirma o diretor-presidente da ONG Ecoavis, Adriano Gomes Peixoto.

Procurado, o grupo Camargos Júnior, responsável pela mina, não se posicionou sobre o assunto. Em nota, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Semad) disse não haver prazo para a conclusão do processo de licenciamento ambiental. A pasta afirma que ainda falta a anuência da gerência do Parque Estadual da Serra do Rola-Moça para finalizar o processo. O conselho consultivo da área verde ainda irá debater o assunto. 

Casa Branca

Outro empreendimento que aguarda aval para explorar novamente o minério no entorno do Rola-Moça é a mina de Casa Branca, da empresa MGB, em Brumadinho. Lá, o MP conseguiu a interdição em 2001, em razão de danos gerados sem as devidas compensações ambientais.

A Semad enviou ao Copam um ofício questionando quais atividades da empresa seriam de uso direto ou indireto dos recursos do parque. A pasta alega que “a informação é essencial para a continuidade da análise do processo de licenciamento ambiental”.

O tema foi pauta de reunião do conselho consultivo do parque do Rola-Moça nesta semana, mas não houve consenso e voltará a ser debatido em junho. “Aconteceu um atraso no processo, e pelo menos ganhamos tempo. Esse projeto vai impactar, e muito, a fauna e flora da região. Até uma estrada eles querem construir dentro do parque”, ressalta Maíra do Nascimento, integrante do Movimento Águas e Serras de Casa Branca. 

Gerente da mina Casa Branca, Geraldo de Magalhães Lopes garante que a aprovação dos trabalhos é necessária para que o meio ambiente local seja recuperado.

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *