Governo da Colômbia e guerrilha ELN retomam negociações de trégua em Havana

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 87 Visualizações

Por France Presse

O governo da Colômbia e a guerrilha Exército de Libertação Nacional (ELN) retomam nesta quinta-feira (10) suas negociações em Havana em busca de um cessar-fogo, que permita, em algum momento, chegar a um acordo para acabar com um sangrento conflito de meio século.

“Vamos ver se conseguimos um cessar-fogo, e estou convencido de que vamos conseguir”, disse o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, em Berlim, durante visita oficial que acontece esta semana.

Embora Santos – que deixará o poder em agosto após dois mandatos de quatro anos – espere um acordo de paz final “o mais rápido possível” com a última guerrilha ativa no país, ele admite que não conseguirá isso antes de concluir seu mandato.

“Não poderei assinar esse acordo, mas espero deixar para o próximo presidente o caminho pavimentado na direção correta”, acrescentou o presidente, Prêmio Nobel da Paz em 2016 por suas tentativas de pôr fim ao último conflito armado interno da América, com as guerrilha das Farc.

O chefe da delegação negociadora do ELN, Pablo Beltrán, também espera um cessar-fogo no curto prazo.

“Estamos por reiniciar esse ciclo de conversas em Havana. É muito importante que possamos levar adiante um novo cessar-fogo muito melhor do que o anterior, ainda que não seja o do fim do conflito”, disse ele, de Cuba, em um vídeo divulgado por sua organização.

Histórica trégua

As negociações começaram em fevereiro de 2017 em Quito, onde conseguiram uma histórica trégua em outubro do ano passado que se estendeu por 101 dias, em meio a acusações mútuas de descumprimentos.

Com o fim do cessar-fogo em janeiro de 2018, o governo colombiano denunciou uma imediata ofensiva do ELN, situação que atrasou o início do quinto ciclo de negociações. A guerrilha conta com cerca de 1.500 combatentes.

Nova sede para negociações

Estas foram, enfim, retomadas até que o Equador se afastou oficialmente como sede e garante do processo em 20 de abril, após inusitados ataques e sequestros realizados por dissidentes da dissolvida guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em seu território. Agora, Havana assume o posto.

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *