DEPOIMENTO – Testemunha acusa vereador e miliciano de terem planejado morte de Marielle

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 97 Visualizações

Uma testemunha do caso Marielle Franco disse em depoimento, segundo informações do jornal o Globo, que o vereador do Rio, Marcello Siciliano (PHS), e o ex-PM Orlando Oliveira de Araújo – acusado de chefiar milícia – queriam que a vereadora fosse morta. À Divisão de Homicídios, o homem, que trabalhou para um dos mais violentos grupos paramilitares do Rio procurou a polícia para contar, em troca de proteção, datas, horários e locais de reuniões entre Sicilliano e Araújo. Ainda de acordo com a testemunha, as conversas tiveram início em junho. 

Segundo o Globo, Siciliano declarou não conhecer Orlando de Curicica. Ele considerou a notícia publicada pelo jornal  “totalmente mentirosa”. 

A testemunha garantiu que, em junho passado, Marcello Siciliano e Orlando de Curicica se encontraram em um restaurante no bairro do Recreio, Zona Oeste do Rio, e conversaram sobre Marielle. Ela teria presenciado ao menos quatro conversas entre o vereador e o miliciano. Também revelou nomes de quatro pessoas que teriam sido selecionadas para executar Marielle Franco. 

“O vereador falou alto: ‘Tem que ver a situação da Marielle. A mulher está me atrapalhando’. Depois, bateu forte com a mão na mesa e gritou: ‘Marielle, piranha do Freixo'”, disse, fazendo referência ao deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), de quem a vereadora era amiga. Marielle Franco foi assessora do parlamentar à época da CPI das Milícias.

Segundo o depoente, Orlando de Curicica era “uma espécie de capataz” de Marcello Siciliano. “Pelo que sei, era apoio político, mas ouvi comentários de que a milícia agia em grilagem de terras na Zona Oeste, especialmente no Recreio dos Bandeirantes”, disse. Ainda de acordo com a testemunha, há apoio de financeiro por parte de Siciliano a inúmeras ações do grupo paramilitar.

O homem foi à polícia em três oportunidades. Ele está sob proteção. De acordo com o depoente, ele foi obrigado a trabalhar como segurança de Orlando de Curicica. O delator, diz O Globo, instalava equipamentos de TV a cabo em área controlada pelo grupo paramilitar. 

À época do assassinato de Marielle Franco, Marcello Siciliano disse, em nota, ter recebido “com grande pesar a notícia de falecimento”. O político também destacou que a vereadora “estava sempre disponível para ajudar no que fosse necessário” e que sua família poderia contar com ele “para ajudar no que for preciso”.

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *