Crítica: “Os Últimos Jedi” usa iconoclastia para revigorar “Star Wars”

 109 Visualizações

[URIS id=17008]

Por mais soturno que pareça o “Episódio VIII”, o timing do humor concilia muito bem o dispositivo irônico já usado pela Disney no universo Marvel com a herança deixada por George Lucas. Droides, porgs (os bichinhos fofos da vez), as clássicas exclamações de Chewbacca e um inédito tom de ridicularização do general Hux (Domhnall Gleeson) e seus almirantes da Primeira Ordem.

Certos saudosismos à parte, “Os Últimos Jedi” é um filme que ousa revigorar a saga em novas bases filosóficas, narrativas e visuais. Johnson, habilidoso diretor de “Looper” (2012) e dos melhores episódios de “Breaking Bad”, costura uma história capaz de sequestrar as expectativas do público e empreender demoradas, mas vistosas, reviravoltas.

Ordem Jedi no divã e galáxia em desajuste
Todo o miolo do filme se concentra num embate místico tripartido. Rey (Daisy Ridley), a Jedi novata, tenta recuperar um Luke Skywalker (Mark Hamill) em exílio para a causa rebelde, reduzida a poucas centenas de soldados e pilotos. À distância, mas próximos mentalmente, Rey e o parricida Kylo Ren (Adam Driver) jogam cabo de guerra. Cada um quer levar o outro para o próprio lado (sombrio ou luminoso).

Amparada por fagulhas de esperança na rebeldia, mas massacrada pelo imenso aparato militar liderado pelo Supremo Líder Snoke (Andy Serkis), essa nova galáxia é refundada em pequenas tragédias individuais. Dos sacrifícios que anônimos fazem na batalha à desesperança de Luke. O impacto emocional é imediato. No entanto, perde-se de vista o contexto político tão bem trabalhado nos prequels.

“Os Últimos Jedi” larga por instantes a gasta batalha bem x mal para mergulhar nas zonas cinzentas que se colocam entre heróis e vilões. O filme até tenta didatizar isso por meio do personagem de Benicio del Toro, cínica figura do submundo recrutada por Finn (John Boyega) e Rose (Kelly Marie Tran) para ajudar a Resistência em sua última fuga. Ele basicamente sintetiza a guerra como um organismo vivo: eterno perde-ganha.

Johnson é mais feliz quando de fato ambiciona mostrar ao público coisas que jamais vimos em “Star Wars”: um encouraçado atravessado por uma nave à velocidade da luz, a General Leia (Carrie Fisher) finalmente explorando a Força, uma Las Vegas alternativa (Canto Bight), uma matilha de cristal, a almirante Holdo (Laura Dern) como contrapartida racional à arrogância irresponsável de Poe (Oscar Isaac), cada vez mais o sub-Han Solo.

Lançado um ano após o frustrante “Rogue One”, o “Episódio 3,5” que ninguém pediu, “Os Últimos Jedi” passa longe da perfeição. Mas, ao contrário do conforto passadista perseguido por “O Despertar da Força”, é um filme inquieto, o tempo todo à procura de voz própria e disposto a encarar de frente as pressões dos fãs e os compromissos de franquia.

Avaliação: Ótimo

*Metrópolis

LEIA MAIS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.