1ª antologia de poemas gays tem de Drummond a poetas contemporâneos

 133 Visualizações

Livro reúne autores que abordaram a temática (Foto: Arquivo Pessoal)

A partir de um encontro em um curso de projetos editoriais, Marina Moura e Amanda Machado iniciaram uma pesquisa sobre o gay na literatura. No percurso, a dimensão do material as levou a fazer um recorte. É o que reúne “Poesia Gay Brasileira”, primeira antologia com temática homossexual, que foi lançado neste sábado (16), às 18h, no Idea Espaço Cultural.

“Não é uma antologia de autores gays, mas de autores que tocaram no tema, desde os mais conhecidos como Caio Fernando Abreu, Hilda Hilst e Drummond. Temos muitos contemporâneos também como Nívea Sabino e Rodrigo Quimera. É uma compilação que tem desde criações do século XIX aos dias de hoje. São 44 autores e 130 poemas”, comenta a jornalista, organizadora e uma das autoras da publicação, Marina Moura.

“Chamamos nossa iniciativa de projeto e não apenas de um livro porque entrevistamos alguns autores, ampliamos o debate e perguntamos se é possível falarmos em uma literatura gay. Pesquisamos e sabemos que ela existe até mesmo antes de Cristo, mas é importante frisar que foi uma mulher maranhense quem inaugurou a poesia gay no Brasil em 1850. É o nosso registro mais antigo, de Maria Firmina, uma mulher negra falando sobre os gays na literatura naquele tempo”, pontua Marina.

“Tivemos que fazer uma edição a parir do que encontramos. E trazemos as temáticas mais recorrentes, embora seja um panorama amplo. Há poemas sobre o amor, o erotismo, a amizade e o preconceito. Buscamos aspectos diversos. Alguns autores antigos utilizam termos que os grupos não aceitam mais hoje, mas que estão no livro como uma forma de registro de um determinado tempo que é questionado hoje. A homofobia, por exemplo, faz parte da vida desses poetas, e eles acabam transmitindo isso para os poemas também como uma forma de denuncia”, comenta Marina, enfatizando que o preconceito também está registrado no livro com publicações dos comentários homofóbicos que a página do projeto recebe no Facebook. (O Tempo)

LEIA MAIS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.