Samarco anuncia demissão de 600 funcionários

 142 Visualizações

A Samarco informou, nesta sexta-feira (17), que aceitou a proposta dos sindicatos Metabase de Mariana e Sindimetal do Espírito Santo para a realização de um Programa de Demissão Voluntária (PDV) de 600 empregados. 

Nessa quinta (16), representantes da empresa se reuniram com membros dos sindicatos e falaram sobre a necessidade de reduzir o quadro de 1.735 para 1.135 trabalhadores até dezembro de 2017. Antes do rompimento da barragem de Fundão, eram cerca de 3 mil funcionários.

Segundo a empresa, “o PDV tem o objetivo de minimizar os efeitos de demissões que são necessárias devido à realidade da empresa, que pretende retomar as atividades com 26% da capacidade operacional”, informou por meio de nota. 

A empresa informou também que, desde a paralisação das atividades, em novembro de 2015, fez o possível para manter os trabalhadores, concedendo férias coletivas, licença remunerada e dois períodos de layoff (suspensão do contrato de trabalho). O último foi iniciado em junho deste ano e segue até março de 2018.

PDV

Podem aderir ao PDV, empregados de todos os níveis, inclusive os que estão em layoff. A adesão poderá ser realizada entre os dias 20 de novembro e 1º de dezembro deste ano.

Entre os benefícios oferecidos para adesão ao plano estão: 50% do salário para cada ano de trabalho, limitado a 4 salários; 3 salários fixos limitado a R.500; desligamento por iniciativa da empresa; plano de saúde por 6 meses, a partir da data de desligamento do empregado.

A empresa informou ainda que, caso o PDV não atinja a meta de adesão de 600 empregados, será realizado Programa de Demissão Involuntária (PDI).

O Hoje em Dia entrou em contato com o Metabase e aguarda retorno. Já o presidente do Sindimetal, Max Célio de Carvalho, afirmou que lamenta as demissões, mas que o acordo foi favorável. “Foram oferecidos bons benefícios para quem aderir aos PDV”, justificou. 

Retorno das atividades

A Samarco informou que ainda não há previsão para o retorno das atividades. 

Para voltar a operar, a empresa precisa obter duas licenças ambientais: o Licenciamento Operacional Corretivo (LOC) do Complexo de Germano e o licença para disposição de rejeitos na Cava de Alegria Sul. 

Os pedidos estão sendo analisados pelas Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad).

Portal HD

LEIA MAIS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.