CRISE SEM FIM – PF acha citação a valores e à Odebrecht na casa de Aécio Neves

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 70 Visualizações

Senador Aécio Neves foi investigado pela operação Patmos e denunciado pela PGR no STF

Durante as buscas e apreensões da operação Patmos, em maio, homens da Polícia Federal encontraram, em uma das residências do senador mineiro Aécio Neves (PSDB), anotações que citavam valores relacionados à empreiteira Odebrecht e a sua subsidiária Braskem. Os números estavam indicados junto com as expressões “direção estadual” e “Pimenta”. 

As duas primeiras anotações estão associadas à sigla CNO, que segundo os investigadores seria uma referência à Construtora Norberto Odebrecht. À frente da sigla há dois valores. No primeiro, relacionado a “Pimenta”, o valor é de R$ 200 mil. No segundo, relacionado a “direção estadual”, o valor registrado é de R$ 510 mil. No caso das Braskem, há uma nova referência à direção estadual, com o valor de R$ 240 mil.

Para os investigadores, de acordo com o jornal, os valores “provavelmente” são “monetários” e são “possivelmente fruto de atividade ilícita”. A defesa nega.

A ação de busca e apreensão foi realizada por autorização do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que, naquele dia, também determinou o afastamento de Aécio das funções no Senado. Depois disso, o senador retornou ao cargo por ordem do ministro Marco Aurélio Mello, voltou a ser afastado pela Primeira Turma do STF e teve a medida cautelar revogada por seus colegas de Senado.

No âmbito da operação Patmos, Aécio Neves foi gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, acionista da JBS. Os valores teriam sido repassados ao primo do senador, Frederico Pacheco, o Fred, e as primeiras tratativas teriam sido realizadas pela irmã do senador, Andrea Neves, ambos flagrados em ação controlada da Polícia Federal. Aécio foi denunciado por corrupção passiva. Ele diz que a conversa tratava apenas de um empréstimo particular.

A Polícia Federal enviou ao Supremo relatório sobre cada item encontrado na casa do senador e dos demais investigados na Patmos. Segundo o documento, um dos itens é uma “folha manuscrita, composta de três anotações com nomes e números podendo ser valores em moeda nacional”.

A PF diz que não é possível afirmar, somente com essa anotação, qual o nome completo de Pimenta. Naquele ano, o candidato do PSDB ao governo estadual foi Pimenta da Veiga. Sua prestação de contas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) inclui uma doação de R$ 200 mil da Odebrecht e outros recursos repassados pelo diretório e que seriam provenientes da empresa.

Delatores da Odebrecht falam em R$ 50 milhões em doações oficiais e não oficiais ao grupo político do tucano, formado pelo próprio Aécio, Pimenta da Veiga, por Dimas Fabiano Junior (candidato a deputado federal), e pelo senador Antonio Anastasia (candidato ao cargo naquela eleição).

“Esses números provavelmente tratam-se de valores monetários. A relevância está no fato de o montante ser alto e de possivelmente ser fruto de atividade ilícita”, conclui o documento, subscrito pelos agentes Morais Cesar da Mota Furtado e Osvaldo Escórcio Meneses Filho.

Defesa. Em resposta à reportagem, a defesa de Aécio informou que “as anotações referem-se a doações na campanha de 2014 devidamente registradas na Justiça eleitoral para o diretório estadual de MG, de forma lícita e transparente, facilmente comprovável no site do TSE.” Pimenta da Veiga foi procurado, mas não atendeu as ligações. (As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”)

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *