Minas Gerais, Religião

SANTA BÁRBARA – Patrimônio histórico e cultural reconhecido em 30 tombamentos

Com 30 mil habitantes, Santa Bárbara é berço de singulares paisagens naturais e ricos patrimônios imateriais e materiais. Antigas construções refletem uma arquitetura particular, que traz nos traços do Mestre Ataíde, a sensibilidade do barroco nas muitas pinturas e peças sacras. Neste contexto, o nosso patrimônio é reconhecido por meio de tombamentos, registros e inventários. 

O Município possui, hoje, 30 bens tombados, sendo o Núcleo Histórico Urbano de Brumal e o Núcleo Histórico de Santa Bárbara, tombados pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha), e a matriz de Santo Antônio, a igreja de Santo Amaro, em Brumal, e a Casa da Cultura, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). 

O tombamento é o instrumento que permite reconhecer e proteger o patrimônio cultural mais conhecido de determinado lugar, cuja conservação seja de interesse público, em virtude de seu valor histórico, arqueológico, etnográfico, bibliográfico ou artístico. 

A matriz de Santo Antônio, a igreja de Santo Amaro, em Brumal, e a Casa da Cultura são patrimônios nacionais, tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan)

Nesse contexto de preservação da história, Santa Bárbara possui, também, seis bens registrados. São eles a Cavalhada de Brumal, a Encenação “Os Passos da Agonia”, a Festa de Santo Antônio, o Grupo de Congo de Santa Bárbara, a Corporação Musical Santo Antônio e o Modo de Fazer as Bonecas de Palha. De acordo com o Iphan, esses bens caracterizam-se pelas práticas e domínios da vida social, apropriados por indivíduos e grupos sociais como elementos importantes de sua identidade. 

No que diz respeito aos bens inventariados são mais seis categorias, Estruturas Arquitetônicas e Urbanísticas, Núcleos Históricos/Conjuntos Urbanos, Conjuntos Paisagísticos, Bens Móveis e Integrados, Arquivos e Patrimônio Imaterial. Os inventários são como um banco de dados de preservação, que tem por objetivo identificar as várias manifestações culturais e bens de interesse de preservação, tanto materiais, quanto imateriais. 

Dentre esses bens tombados, registrados e inventariados, estão conhecidos pontos turísticos como o Centro Histórico, o Memorial Affonso Penna, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, o acervo da Capela da Arquiconfraria do Cordão de São Francisco, as Ruínas do Barão de Catas Altas, a Represa do Peti, o Conjunto Natural Paisagístico e Paleontológico da Bacia do Gandarela, entre outros. 

Assim sendo, com um olhar diferenciado para o patrimônio cultural, o poder público busca fazer a diferença no desenvolvimento sustentável de uma Cidade, que preserva seus bens culturais e naturais, para contar histórias no presente e no futuro.

ARTIGO ANTERIORARTIGO SEGUINTE

Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notificação

Send this to a friend