Douglas Freire – O Maior Risco de Todos é o Simples Fato de Estarmos Vivos?

Maycon Douglas Romano Freire, 24 anos, Técnico em administração Graduando em Bacharelado de administração.
Maycon Douglas Romano Freire,
24 anos, Técnico em administração
Graduando em Bacharelado de administração.

Você já se viu falando ou parou alguma vez para pensar que hoje em dia, colocamos e sempre estamos avaliando o “risco” em tudo? Seja no trabalho, na escola, nos descolamentos que efetuamos, pela própria violência urbana e rural, entre os modos de receio que, na condição de seres humanos naturalmente temos?

Pois bem… Existem certos perigos que às vezes não evidenciamos tanto, mas que somos submetidos simultaneamente a eles no cotidiano, tais que classificamos como acidentais ou imprevistos: Levar uma queda, ser surpreendido por um veículo no passeio, descobrir uma doença de repente, ser atingido por uma descarga elétrica, mesmo ao ato de fritar um alimento e se queimar com a gordura quente e etc.

Existem ainda as ameaças ocultas da vida, riscos de frustrações que eventualmente venham acontecer decorrentes de nossas escolhas; como a opção errada de investimento; falha ao optar por uma área de estudo/trabalho que não sente prazer; se equivocar ao estabelecer um relacionamento amoroso com determinada pessoa; errar de forma impactante nas tomadas de decisões que determinarão os rumos dos quais as linhas de sua vida vão tomar, entre outras.

É… Todos nós ao nascermos, estamos automaticamente sujeitos há essas circunstâncias. Entretanto, é preciso que tenhamos uma visão além de realista/comum, mas, sobretudo simplificada a cerca dessa questão.

Analisando sucintamente, percebemos claro, que todos os riscos citados acima são procedentes, queiramos ou não, verdades! Mas, olhando para dentro de nós mesmos e da nossa condição na Terra como seres humanos, vamos perceber que o maior risco de todos é o simples fato de estarmos vivos. Pois, nossa estrutura de organismo é altamente frágil a tudo, sendo que qualquer alteração/disfunção por mínima e imperceptível que seja, se acontecer, pode comprometer toda nossa existência.

Desse modo, como ter uma vida tranquila, equilibrada e sem “neuras” diante dos fatores de riscos bastante adversos? Bom… A minha dica é bem simples: “A grande jogada da vida, é saber deixar ‘certas coisas’ de lado e seguir em frente” até porque, não temos opção, temos? Outra dica é (independente de sua crença ou cultura) estar sempre em sintonia com Deus (Jesus Cristo), porque quando atingirmos o limite do que é compreensivo na nossa época histórica em que vivemos com relação aos mistérios da vida, e o todo que nos cerca, só ele poderá manter o equilíbrio e garantir a sempre segurança e sensação de bem estar.

E com tudo, não esqueça que em se tratando de escolhas, decisões, temos sempre 50% de chances de dar certo; é assim pra todo mundo!

Leia Também!

Glaucius Detoffol Bragança – Cotas em universidades: beneficiados, não beneficiados e todos nós – Milton, Ruy, UNESCO e Waters

“Semear o trigo / recolher cada bago do trigo / forjar no trigo o milagre …