Glaucius Detoffol Bragança – 3 em 1 – Ocupação de Escolas, ES e o Desarmamento – Belchior, Chico, Roberto Carlos e Aliados

Glaucius Detoffol Bragança, Advogado, Pós Graduado em: Direito Processual e Material do Trabalho, Direito Constitucional, Direito Tributário e Planejamento Tributário. Sócio-Gestor de Guerra e Bragança Sociedade de Advogados em Itabira – MG

Eu não estou interessado em nenhuma teoria / Em nenhuma fantasia, nem no algo mais / Nem em tinta pro meu rosto ou oba oba, ou melodia / Para acompanhar bocejos, sonhos matinais
Eu não estou interessado em nenhuma teoria / Nem nessas coisas do oriente, romances astrais
A minha alucinação é suportar o dia-a-dia.
 

  • Ocupação de Escolas

Os problemas são problemas demais se não correr atrás da maneira certa de solucionar.

No dia 28/01/2017, Fernando Pimentel, Governador do Estado de Minas Gerais, cortou 1 bilhão de reais do orçamento do Estado. O setor mais prejudicado foi a Educação que deixará de receber 148 milhões de reais neste ano.

Para quem tem memória curta, lembro que em fevereiro do ano passado o mesmo Governador cortou 2 bilhões do orçamento do Estado. O que também comprometeu o setor da educação (que não teve condições de arcar com seus compromissos assumidos frente aos professores e outros funcionários públicos).

Principalmente no final do ano passado, foi crescente movimento estudantil dos secundaristas que lutava contra “os rumos que a educação vem tomando no governo Temer”. O Teto de Gastos do Governo Federal e a mudança do programa de segundo grau eram os alvos das flechas lançadas.

No entanto, não se tem notícia até o momento de qualquer movimento dos estudantes secundaristas frente às reiteradas ofensas do Governo mineiro direcionadas à Educação.

Se o objetivo era lutar em favor da educação… tem-se claro que o movimento é apartidário. Porém, não é o que se verifica. Já se especula com mais força o fato dos estudantes terem sido utilizados em âmbito político com o objetivo de tentar (sem sucesso) desestabilizar o governo federal.

Chico Science já dizia: O futuro é agora! Outra lição foi: Pilotem suas próprias cabeças!

  • O estado de Calamidade do Espírito Santo 

Desde o começo do mundo

Que o homem sonha com a paz

Ela está dentro dele mesmo

Ele tem a paz e não sabe

É só fechar os olhos e olhar pra dentro de si mesmo

Caso você ainda não saiba, o Estado do Espírito Santo vem enfrentando uma verdadeira convulsão social.

Por meio de uma verdadeira greve disfarçada de protesto dos familiares de policiais, a Polícia Militar daquele Estado não vem cumprindo seu dever. O lema “trabalha e confia” posto na Bandeira por Jerônimo Monteiro já não é levado a sério.

Quando Santo Inácio de Loyola ensinou que devemos trabalhar como se tudo dependesse de ti e confiar como se tudo dependesse de Deus, alguns não ouviram. Eles estão surdos. 

Tanta gente se esqueceu

Que o amor só traz o bem

Que a covardia é surda

E só ouve o que convém

Àqueles que bradam que a Polícia não é necessária… àqueles que preferem acreditar quando a ONU (que nunca nos deu real valor) diz que a Polícia tem que acabar… àqueles que, como Titãs e Tico Santa Cruz, cantam e enaltecem a omissão do Estado: faço um convite: Estudem. Vejam o quanto é importante a presença do Estado (detentor exclusivo do monopólio da força). Não é necessário viver lá no Espírito Santo (até mesmo não recomendo a ninguém ir ao ES neste momento), basta ligar para um amigo ou conhecido ou verificar na internet os acontecimentos. Os sábios aprendem com os erros dos outros. 

Ps: até o momento foram 62 mortes registradas em 3 dias.

  • Desarmamento – Cara ou coroa?

Eu não quero fazer sucesso ou vender disco de protesto, mas eu também vou reclamar!

A presença do Estado, por meio da Polícia, é necessário. Não tem discussão. É o meio social que estamos insertos. Simples assim.

Porém, e quando este Estado é falho? Digo falho não no sentido de incompetência, mas sim de ausência de condições para prestar um serviço adequado. Nestas situações estamos entregues à nossa própria sorte.

A Federação do Comércio do Espírito Santo acaba de informar que os prejuízos do Comercio já ultrapassam 4,5 milhões de reais entre roubos e depredações. Ocorre que este não é o principal prejuízo que pode se dar. O bem principal é a vida!

Na falta do Estado, eu gostaria de contar, minimamente, com a possibilidade de defender minha família. Quem já teve sua casa invadida por criminosos sabe bem do que estou falando.

Lembrando que estamos num país democrático onde você pode ou não exercer direitos. Se você não quiser ter o direito de se preparar técnica e psicologicamente e possuir uma arma de fogo em casa, tudo bem… Lembre-se que, numa situação de risco extremo, um vizinho pode te ajudar.

Águas passadas só irão afogar alguém que desistiu de lutar. Eu não desisti e também não conto com a sorte.

Não estou interessado em nenhuma teoria. Amar e mudar as coisas me interessa mais.

Fale com o colunista: glaucius@guerraebraganca.com.br

Leia Também!

Glaucius Detoffol Bragança – Apropriação cultural? – Zé Geraldo, Drummond, Hermes e Schopenhauer

Os jardins da casa-grande As trancas ficando pra trás Hoje, depois de algum tempo Eu …